domingo, 13 de maio de 2018

Os princípios da criação


A criação de Deus tem pelo menos cinco pontos básicos: princípio da terra, princípio da imagem, princípio da semelhança, princípio do domínio e princípio do Éden. Esses princípios revelam o funcionamento da criação, com propósito final na vida do homem, que é a coroa da criação divina.
Os princípios funcionam interligados entre si, vejamos:
  1. 1) Princípio da terra: essa é a lei proporcionada por Deus para que haja total manutenção da natureza para com a vida do homem;
  2. 2) Princípio da imagem: são as emanações de Deus manifestas no homem. São os atributos de Deus em forma de adjetivos no homem;
  3. 3) Princípio da Semelhança: nessa lei temos o homem funcionando como Deus funciona, um espelhamento, tendo em vista que o homem refletia Deus;
  4. 4) Princípio do domínio: nesse temos o homem com o poder de supremacia sobre a criação feita por Deus;
  5. 5) Princípio do Éden: temos a junção dos quatro anteriores e a manifestação de sete pontos:
  • Pisom
  • Giom
  • Tigre
  • Eufrates
  • Jardim
  • Hadah
  • Kabash
O Jardim não é o Éden 
“Ora, o Senhor Deus tinha plantado um jardim no Éden, para os lados do leste; e ali colocou o homem que formara”. Gênesis 2:8.
Em Genesis 2.8 temos a aplicação da preposição “no”, isto é, unidos e não fundidos. Ao observar o Éden e o jardim nesse versículo temos a certeza que sua união. Imagine dentro de um copo você depositar agua e óleo, lógicos que estão unidos, porém não estão fundidos, cada qual sua própria característica, não se mistura, mas estão juntos num mesmo lugar. Assim era o Éden e o Jardim, estavam unidos, porém não misturados, pois o ser que comportava duas naturezas em si ainda não estava no Jardim.
“O Senhor Deus colocou o homem no jardim do Éden para cuidar dele e cultivá-lo”. Gênesis 2:15.
Agora observe o versículo 15 de Gênesis 2, onde a preposição muda para “do”, agora temos a ideia de um dentro do outro, de unicidade, de fusão perfeita, por que? Agora temos a presença do homem no jardim, e o Éden se funde ao mesmo, visto que o Éden é um ambiente espiritual.
Benefícios da cobertura do Jardim 
Sabendo que o Éden é uma cobertura espiritual que cobria toda a criação divina, temos agora que observar os motivos de sua presença na criação, visto que dele procedia o rio que mantinha o jardim.
Na criação o que ligava a fonte (Deus) a toda a criação era o rio que vinha do Éden, que tinha sua fonte em Deus nas regiões celestiais. O rio que provinha dessa região espiritual em Deus trazia consigo o fluir da autoridade divina que, por sua vez mantinha a autoridade do homem funcionando perfeitamente.
Hadah e kabash 
Os dois níveis de autoridade sobre a criação: Domínio(hadah) e Submissão (kabash).
A autoridade e a ação dada ao homem que tinha como fonte e sustentação a cobertura espiritual proporcionada pelo Éden. O domínio e a supremacia sobre toda a criação dada ao homem. A submissão é a ação dada para a supremacia, uma interligada a outra, e o homem ligado em Deus.
A cobertura do Éden é o que transmite autoridade para o homem, o homem por sua vez é o receptor. Estando debaixo da cobertura ligado em Deus pelo Éden o homem tinha além dos níveis de domínio e submissão, também os cinco níveis de bênçãos.
Cinco níveis de bênçãos 
  1. 1) Pisom: esse é o rio que rodeia a terra de Havilá, onde háouro e ouro do bom. A palavra Pisom no hebraico significa “gratuidade”, mostrando que a benção é contínua e gratuita debaixo da cobertura;
  2. 2) Giom: esse rio tem seu significado no hebraico de “rompimento”, isto é, ao homem foi dado o direito de nada lhe parar;
  3. 3) Tigre: representação direta de força e velocidade, mostrando que ao homem foi dado em níveis físicos;
  4. 4) Eufrates: esse rio revela as profundidades, tesouros escondidos, reservados ao homem que estava debaixo da cobertura do Eden;
  5. 5) Jardim: esse vem para manutenção diária e ponto de encontro contínuo com o próprio Deus.
A queda do homem e a saída da cobertura 
Bênçãos profundas eram reservadas no projeto original, mas após a queda do homem este acesso foi interrompido, Deus em sua grande misericórdia criou meios na lei para que o homem desfrutasse do melhor da terra (Isaías 1.19).
Após a queda, ao sair da cobertura original do Eden, o homem permanece com o direito de domínio e submissão, mas agora pelo seu esforço. Para que o homem torne a viver o projeto original da gratuidade da benção continua, ele deve estar debaixo da cobertura de paternidade.
Na antiga aliança através dos pais, reis, sacerdotes, profetas, e juízes; na nova aliança através dos pais, apóstolos, pastores, profetas, evangelistas e mestres. São homens separados por Deus para transmitir a benção e para permitir a atuação e a isso se dá o nome pela Bíblia de “S’mikhah” (autoridade por imposição).
Debaixo da autoridade e de cobertura espiritual de homens separados por Deus para tal, podemos fluir em nossas vidas através das bênçãos em Cristo Jesus, nosso Senhor, tendo a paz que excede todo entendimento a nosso favor, alcançando diariamente aquilo que já existe (2Pe 1.3a), desfrutando agora de uma aliança ainda maior, pois através da S’mikhah podemos viver em plena atuação em Deus ao que nos foi dado no projeto original (Gn 1.26), domínio e submissão.
Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança. Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais grandes de toda a terra e sobre todos os pequenos animais que se movem rente ao chão”.  Gênesis 1:26.

domingo, 14 de janeiro de 2018

AS TRÊS FILHAS DE JÓ.

Depois que Jó orou por seus amigos, o Senhor o tornou novamente próspero e lhe deu em dobro tudo o que tinha antes.
Todos os seus irmãos e irmãs, e todos os que o haviam conhecido anteriormente vieram comer com ele em sua casa. Eles o consolaram e o confortaram por todas as tribulações que o Senhor tinha trazido sobre ele, e cada um lhe deu uma peça de prata e um anel de ouro.
O Senhor abençoou o final da vida de Jó mais do que o início. Ele teve catorze mil ovelhas, seis mil camelos, mil juntas de boi e mil jumentos.
Também teve ainda sete filhos e três filhas.
À primeira filha deu o nome de Jemima, à segunda o de Quézia e à terceira o de Quéren-Hapuque.
Em parte alguma daquela terra havia mulheres tão bonitas como as filhas de Jó, e seu pai lhes deu herança junto com os seus irmãos. Jó 42:10-15



O teólogo cristão John Gill observa que Jemima pode significar tanto dia como pomba, esta última associada à palavra árabe "jemama". Observando que há na Arábia Saudita um local designado por Jemama ou Yemama (Al-Yamama) que teve uma rainha por nome Jemama, Gill conjectura que a Jemima bíblica pode estar relacionada à Jemama do folclore árabe.


O ETERNO MUDA O CATIVEIRO DE JÓ

Jó havia perdido tudo o que tinha. Seus dez filhos, sua esposa, sua riqueza, a saúde e até os amigos. Os amigos de Jó viraram-se contra ele, porém, Elohim diz: “Jó, Eu vou mudar o seu cativeiro. (Jó 42:10) Então Elohim declara a Jó o que ele teria que fazer para mudar sua vida, restaurar seu casamento, ter outros filhos, sarar o seu corpo, receber de volta toda sua riqueza.


O ETERNO ORDENA A JÓ QUE ELE SE TORNE UM ABENÇOADOR.

“O Senhor, pois, mudou o cativeiro de Jó, quando este orava pelos seus amigos; (Jó 42:10a) Após Jó abençoar seus três amigos Elohim derrama sobre Jó três bênçãos.


1ª BENÇÃO: 

JEMIMA, que quer dizer alem de pomba: Lugares altos. Sabe o que quer dizer lugares altos?- Lugar de sucesso.- Lugar de pessoas bem sucedidas.

Elohim diz: Jó todo homem quer ser “bem sucedido”, mas somente com seu esforço pessoal ele tem limites, porém se ele tornar-se um ABENÇOADOR, Eu o colocarei em lugares altos, lugares de sucesso, de vitórias, de homens mais que vencedores. Lugares que todos possam vê-lo, ao vê-lo, saberão que ele só está lá porque o Eterno o colocou ali. Aleluia! JEMIMA, quer dizer: “lugares altos”. E é para lá que o Eterno quer te levar.


2ª BENÇÃO: QUEZIA: que quer dizer alem de perfume: Permanecer.- Ou seja, o Eterno vai colocá-lo em lugares altos e você vai permanecer lá;- Acabou os altos e baixos; você será colocado em lugares altos e vai permanecer lá;- Elohim vai te levar para o alto e você permanecerá lá. QUEZIA, quer dizer: “permanecer”. Você será colocado em lugares altos e permanecerá lá.


3ª BENÇÃO: QUÉREN-HAPUQUE. Quer dizer alem de pintura para os olhos: Riquezas escondidas.- Todo dia você descobrirá, riquezas escondidas. O maior interessado em que você não esteja na posição de abençoador é o diabo. Porque toda pessoa que se torna um abençoador recebe as mesmas três bênçãos que Jó recebeu.- O Eterno o colocará em lugares altos;- Você permanecerá lá;- E você descobrirá riquezas escondidas; As três filhas de Jô representavam a devolução de Elohim em todas as áreas da sua Jô.

Representam o Jubileu na vida de Jô. Por que será que o Eterno coloca nas filhas de Jó esses nomes de tão forte significado: Jemima (lugares altos), Quezia (permanecer), Queren-Hapuque (riquezas escondidas)?

Porque elas eram a resposta para todas as aflições de Jó?Pois a palavra do Eterno diz que os jovens são a nação Jubilar. A nação que o Eterno quer usar para trazer a restituição de tudo que o diabo tem roubado dos seus antepassados.

Diz a Bíblia: “E a sua posteridade será conhecida entre os gentios, e os seus descendentes no meio dos povos; todos quantos os virem os conhecerão, como descendência bendita do SENHOR.”(IS 61:9).


AS FILHAS DE JÓ.

1ª Jemima, Hb. Pomba.

Os quatro evangelhos insistem em mostrar a pomba como símbolo do Espírito Santo MT 3.16; Mc 1.10; Lc 3.22; Jo 1.32. mostrando Sua brandura, doçura, amabilidade, inocência, suavidade, paz, pureza e paciência. Uma tradição Judaica traduz Gn 1.2 da seguinte maneira: “O Espírito do Eterno como pomba pousava sobre as águas”.

É também um pássaro que leva um símbolo do amor em cantares de Salomão vemos várias citações da pomba como sinal de carinho: ”Os seus olhos são como os das pombas junto às correntes das águas, lavados em leite, postos em engaste” Ct. 5:12.

Uma característica interessante é que a pomba voa e está SOBRE quem pousa, o que significa que o Espírito Santo deve estar acima de nós e não abaixo. Nós devemos seguir e obedecer a suas orientações.

* Pomba representa:

a) Simplicidade, Cl 3. 22.
b) Humildade, Pv 15. 33.
c) Pureza, Pv 22. 11.
d) Beleza, 1Cr 16. 29.


2ª Quezia, Hb. Vaso de Perfume.

"Porque para Deus somos o bom perfume de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem". 2 Coríntios 2:15.

*Perfume representa:

a) Santidade, Ef 4. 24.
b) Testemunho, 3Jo 1. 12.
c) Incenso (oração), Ap 8. 4.


3ª Queren-Hapuque, Hb. Pintura para os olhos.

Essa terceira filha do patriarca Jó tem um nome bastante sugestivo, seu significado fala muito alto ao nosso coração "pintura para os olhos"

Isso significa dizer que o Eterno olha para nós com um olhar diferente, um olhar de admiração, satisfação e regozijo. É Elohim mostrando que Ele tem prazer de vernos em sua presença, se somos como as pombas e o bom perfume de Cristo, então aos olhos de Elohim somos prazerosos, o Eterno sente prazer em nos comtemplar em sua presença.

*Pintura para os olhos representa:

a) Prazer em servir ao Senhor, Sl 112. 1.
b) Agradável,.
c) Cuidado de Deus (proteção), Sl 55. 22.


HERANÇA,UM DIREITO DADO POR DEUS.

a) Herança é uma propriedade ou bens recebido de um antepassado em vida ou após a sua morte.
b) Na família tendo filhos homens, mulheres não recebiam herança.
c) Jó quebrou esse protocolo e deu heranças as suas filhas.


Amados que possamos ser como as filhas de Jó que em toda terra não se achou mulheres mais formosas quanto elas, mulheres de grande respeito e exemplo na sociedade de sua época, elas através de seu nomes deixou-nos grande exemplo de uma verdadeira igreja que espera o arrebatamento, sim uma igreja que espera o rapto do noivo o cordeiro de Elohim, que possamos ser como as pombas exibindo toda sua simplicidade, termos o bom cheiro de Cristo no meio em que vivemos para que através de nós  Yeshua venha a ganhar vidas para o reino do Eterno e somente dessa forma Yeshua Hamashia terá nossa vida como agradável aos seus olhos, uma verdadeira pintura para os olhos de Elohim, dessa forma seremos agraciados com a herança eterna que para os fieis está guardada.

"Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono". Apocalipse 3:21.

fontes: bíblia sagrada.
          pesquisas na internet.

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Laços de Alma



 Laços de Alma são prisões em que nossa alma se estabelece com outras pessoas ou até mesmo objeto, ou ações. São uniões, que na maioria dos casos ocorre fora dos laços da Palavra do Eterno de Israel.

Uniões são alianças, e alianças são:

Dic.: “s. f. 1. Ato ou efeito de aliar(-se).

 2. Acordo, pacto (Ajuste, contrato, convenção entre duas ou mais pessoas). 

3. União pelo casamento.”Alianças representam pactos, que são associações mútuas, de perdas ou ganhos entre as partes envolvidas. Tudo o que é de alguém passa a ser de outrem.

Tomemos o exemplo do casamento:

“Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.” *Gn 2:24O Casamento é uma ligação entre dois seres, que mais do que física (em termos sexuais), é espiritual, e de alma.

Quando a Palavra de do Eterno diz, que ambos se tornarão uma só carne, eles se tornarão um só espírito e uma só alma.

A união entre dois corpos que acontece no ato sexual, estabelecendo e fixando a aliança do casamento, tem muitas implicações no reino espiritual. Se o ato sexual ocorre no casamento, está debaixo da bênção do Senhor. Agora se houve ato sexual pré-conjugal, ou extraconjugal, houve uma aliança entre as almas, estabelecida no ato do sexo sem a benção do Eterno neste caso debaixo de maldição.

As almas vão se ligando, em uma esfera espiritual sem a benção do Eterno, e vão se tornando uma debaixo de maldição, como se diz na Palavra do Eterno. 

A Bíblia diz:“Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne. Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito.” *I Co 6:16-17.

Se uma pessoa tem ato sexual outra, fora do casamento, ela está ligando a sua alma com alguém que não foi estabelecida nos padrões celestiais. No casamento há essa ligação de almas, só que esta está dentro de uma aliança divina, assim, abençoada por Deus.

O que constitui um Laço de Alma?

Um laço de alma é constituído na vida de uma pessoa através de Relações Sexuais Ilícitas como, fornicação, prostituição, adultério, incesto, pedofilia, masturbação, lascívia, sensualismo e toda gama de sexolatria.

Outra coisa que constitui um laço de alma é abuso e molestação sexual. Aborto constitui laço de alma, tanto para quem pratica como para quem financia.

 Traumas, choques e lembranças, podem formar laços de alma.Palavras, ações, relacionamentos não-resolvidos, agressões, podem constituir laços de alma.

Toques, olhares e sensações podem constituir laços de alma.Objetos podem servir de ponto de contato para constituição de laços de alma.

A Dinâmica dos Laços de Alma

Tomemos o exemplo de duas pessoas virgens. Ambas se evolvem num ato sexual. Assim a alma dos dois está ligada.

1+1=2 Duas Almas ligadas

Agora, um destes dois, pratica outra relação com outra pessoa. A pessoa que pratica sexo com esta, além de se ligar com o seu parceiro sexual, se une ao antigo parceiro de seu parceiro.

Sendo assim:1 [o virgem] + 1 [quem já teve uma relação sexual =(1+1)] = 1 [o virgem] +1 [o parceiro] +1 [o antigo parceiro de seu parceiro] =3 Então 1+2=3 Temos 3 almas.

A pessoa não se liga apenas com o seu parceiro, mas com o antigo parceiro sexual de seu parceiro atual.

Assim funciona a dinâmica dos laços de alma relacionados ao ato sexual, que, as pessoas vão se unindo com as pessoas a quem praticam o sexo, e também vão “pegando” as almas de pessoas relacionadas ao passado sexual dos parceiros.

Lembrando que tudo isto num aspecto espiritual, e não místico. Não estamos falando de “fusão de almas”, nunca, mas sim de ligações, de elos, de amarras que mantêm pessoas presas umas nas outras.

Como no caso de pessoas que não liberam perdão sobre as outras, elas ficam “Amarradas”. Essas amarras são laços de alma.

Nos casos de ato sexual, o que manteve as pessoas presas umas as outras foi na certa resultado de pecados sexuais e inobservância da Palavra de Deus.

Como identificar um laço de alma
Identificamos um laço de alma na vida de alguém quando nós identificamos as áreas na vida dela que poderiam gerar laços de alma:

1. Checar área sexual (Relacionada a pecados sexuais e uniões sexuais ilícitas);
2. Checar se a pessoa não sofreu nenhum tipo de abuso sexual, físico ou emocional;
3. Checar área emocional (Relacionamentos mal-resolvidos, quando nota-se uma profunda ligação entre as pessoas no relacionamento);
4. Checar se a pessoa possui mágoas de alguém e não consegue liberar perdão;
5. Checar se a pessoa possui algum tipo de ligação exagerado com algum objeto pessoal, ou de valor sentimental;
6. Um luto muitíssimo demorado;
7. Depressão pode revelar laços de alma;
8. Alguma lembrança muito vívida na memória da pessoa como um olhar, um toque, uma situação, uma sensação;
9. Passividade e/ou falta de controle da Vontade revela algum laço de alma;
10. Relacionamento “pessoal” com entidades demoníacas.

Ministração para quebrar Laços de Alma

A pessoa deve se arrepender de ter praticado algum tipo de pecado que a tenha envolvido em um laço de alma, identificar esse pecado e pedir perdão por ter cometido o mesmo. 

Deve renunciá-lo.Se o pecado ou a situação envolver pessoas, ela deve orar, com o ministrador, no sentido:“...Em nome de Jesus, eu me arrependo de ter feito uma aliança errada com ... e agora, eu devolvo todos os pedaços da alma dessa pessoa e pego de volta os pedaços de minha alma.”

Se a pessoa tiver sido influenciada por outra pessoa ele deve liberar perdão na vida desta pessoa, e se, ela tiver influenciado, ela deve pedir perdão ao Senhor de ter cometido tal prática.

Casos como os de homossexualismo e lesbianismo sempre deixam laços de alma. A pessoa deve liberar perdão na vida de quem a influenciou e listar os nomes de seus antigos parceiros.

E de suma importância que a pessoa liste os nomes de pessoas com quem se envolveu em atos sexuais, até mesmo nos casos de homossexualismo. 

Nesta hora, pode acontecer algum tipo de bloqueio na memória da pessoa. Deve se orar então para a memória da pessoa ser liberada e para o Espírito Santo trazer a memória todos os nomes das pessoas envolvidas, mas se, mesmo assim, a pessoa não se lembrar, liste apenas o que forem lembrados e que ela mencione: ““... E todos os demais que não me lembro, mas que o Senhor conhece, eu os libero de minha vida de minha alma, pego de volta todos os pedaços de minha alma e devolvo os pedaços das suas almas em nome de Jesus.

“Notar-se-á uma mudança visível, quase instantânea após a ministração”. Em casos de aborto a mãe fica ligada a alma da criança e isso deve ser quebrado.

Exemplo de oração para ministração de Quebra de Laços de Alma

“Pai Santo no nome de Jesus, eu venho a ti para renunciar e rejeitar todo ato impuro que me envolvi, e que contrariou a tua Vontade, que trouxe consequências para minha alma”.
Senhor em nome de Jesus eu quero te pedir perdão por tais práticas (LISTE AS PRÁTICAS) e em nome de Jesus eu libero perdão par todas as pessoas que me influenciaram e peço perdão por ter influenciado tais pessoas (LISTE AS PESSOAS), agora em nome de Jesus eu devolvo todos os pedaços de almas de tais pessoas e pego de volta os pedaços de minha alma. 

Eu passo o sangue de Jesus agora sobre a minha vida e sobre a minha alma e ministro cura sobre o meu interior.

Agora em nome de Jesus, eu me desligo plenamente de tais pessoas. Eu sou livre, e libero tais pessoas. Pois a única ligação que há é entre eu e o sangue de Jesus.

Em nome de Jesus, eu libero tais pessoas e glorifico o nome do meu Pai Celeste. Amém”.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

A FESTA DE HANUKÁ

Primeiramente, o que significa a palavra hebraica Hanuká? Hanuká  (ou Chanucá) significa consagração ou dedicação. Esta festa é também conhecida no meio judaico como Festa das Luzes. Em João 10:22, vemos Yeshua passeando no Templo na comemoração da Festa da Dedicação. Essa passagem é a única passagem bíblica no Novo Testamento que se refere à referida festa. Não encontramos esta celebração no Antigo Testamento porque o fato que deu origem a esta festa ocorreu no ano 162 a.C.

Contexto histórico

Vindo da Macedônia, o império grego expande-se de maneira significativa, conquistando desde o Egito, Oriente Médio, até a Índia. Depois da morte de seu grande Imperador, Alexandre (336-323 a.C.), vários generais lutam pelo controle do Império. O imperador selêucida, Antiochus Epiphanes (175-163 a.C.), conquista o domínio sobre a região do Oriente Médio e investe fortemente contra toda a região da Judéia, impondo os costumes, as tradições, a religião e o pensamento grego Helenístico. Para os judeus, ele proíbe a circuncisão, a observância do Shabat, todas as restrições de comida (Kashrut), e estipula que apenas porcos poderiam ser sacrificados no Templo. Ele mesmo, num gesto de desrespeito e profanação, oferece um porco como sacrifício a Zeus, no interior do templo, no Santo dos Santos. Todos os utensílios do interior e exterior do templo são retirados, e o local passa a ser mais um templo do deus grego Zeus.
É interessante frisar que a cultura e o pensamento grego eram muito bem aceitos pelos povos dominados. O culto à mente humana, aos pensamentos filosóficos revolucionários e modernos eram vistos como expressões de uma cultura extremamente mais desenvolvida. Com exceção de Israel, o pensamento e os costumes helenísticos eram aceitos, quase em sua maioria, de maneira espontânea e não obrigatória, já que um dos aspectos gregos de domínio era a não imposição da sua religião. Os povos dominados eram todos politeístas e a aceitação de um ou mais deuses de uma cultura muito mais avançada não representava grande problema. Mas, é claro, com a nação de Israel não foi assim. Os judeus sempre foram um povo distinto e separado das outras nações pelo fato de crerem em um só Deus e de terem mandamentos, estatutos e ordenanças específicos. Por este motivo, o domínio grego em Israel foi bem mais brutal e violento.
Certo dia, um oficial sírio ordena que Matitiahu Ha Macabí (Mateus, o Martelo ou o Macabeu), cabeça de uma importante família de sacerdotes do Templo, oferecesse um porco no altar. Matitiahu, juntamente com seus cinco filhos, dão início a uma revolta judaica, matando o oficial sírio e todos os seus soldados. Sob a liderança de Matitiahu, outros judeus aderem à revolta. Por oito anos o exército dos Macabeus lutou pela libertação de Jerusalém e de Israel. Após a morte de Matitiahu, seu terceiro filho, Yehuda Há Macabí (Judá, o Macabeu), assume o controle da revolta e leva o exército dos Macabeus à vitória sobre o exército grego-sírio no ano de 165 a.C.


Yehuda ha Makabi (Judá o Macabeu) lidera seu grupo contra as tropas gregas, libertando Jerusalém

O Milagre

Livres então do domínio e da ocupação do exército grego-sírio, os macabeus dão início à purificação do Templo em Jerusalém. No dia 25 do mês de Kislev, no ano 162 a.C., eles realizam com grande celebração a rededicação do Templo com a consagração de um novo altar. O chamado ner tamid (fogo eterno) foi novamente aceso na menorá, o grande candelabro de sete pontas do interior do templo. Mas o óleo de oliva consagrado para queimar na menorá era suficiente para mantê-la acesa por apenas um dia e levaria no mínimo uma semana para se preparar mais óleo Então, por um milagre do Deus Todo Poderoso, o fogo na menorá continuou queimando por mais 8 dias, tempo necessário para a preparação do novo óleo, conforme o relato no livro de II Macabeus.
Alguns rabinos e autoridades judaicas consideram como sendo milagre não só os oito dias da queima do óleo na menorá do interior do Templo, mas também a vitória do exército dos Macabeus sobre o poderoso exército sírio-grego. Eles lembram que o exército dos Macabeus era, em sua maioria, composto por sacerdotes, os quais não possuíam experiência em batalhas, armas ou táticas de guerra. Eles se refugiavam nos montes e nas cavernas ao redor de Jerusalém e atacavam de noite, sob a forma de ataque surpresa em diferentes pontos da cidade.

A Festa para os judeus

Desde então, os judeus celebram a chamada Festa da Dedicação (ou festa de Hanuká) todos os anos durante oito dias, representando os oito dias do milagre do fogo no Templo. O maior símbolo de Hanuká é o candelabro de nove pontas – a Hanukía, como é chamada. A Hanukía possui oito velas e uma vela central, mais alta que as outras, chamada de Shamásh (servo), com a qual todas as oito velas são acessas, uma a cada dia. É costume judaico colocar a Hanukía na janela das casas, de maneira que todos possam vê-la e se lembrar do milagre.
Também é comum, nas noites de Hanuká, a comunhão familiar e entre amigos. O uso de jogos durante Hanuká surgiu na Idade Média, quando os judeus eram proibidos de guardar as tradições e as festas. Eles então, durante as festas, utilizavam de variados jogos, para que se alguém estranho os visse, não desconfiasse de que se tratava de judeus realizando alguma cerimônia. Dentre estes jogos, os mais usados eram a Dama e o Dreidel (dado). Este último era muito utilizado durante Hanuká e acabou por se tornar um dos símbolos da mesma. No Dreidel, tem-se um dado de 4 faces, e em cada face uma das seguintes letras do alfabeto hebraico: nun, guímel, hêi e shin, que são as iniciais da frase: (Nés gadól haiá shâm) “Um grande milagre ocorreu lá!”.

A Hanukía (candelabro de 9 pontas) se tornou o símbolo da Festa de Hanuká
Os judeus celebram esta festa expressando a alegria de serem judeus, o povo escolhido por Deus.

Significado desta festa para os discípulos de Yeshua

Os seguidores de Yeshua têm bons motivos para celebrar esta festa bíblica, se assim o desejarem. O tema principal de Hanuká é a re-consagração do Templo, e I Co. 6:19-20, relata que os nascidos de novo, são o Templo do Espírito Santo e co-herdeiros em Yeshua das promessas de Abraão (Gl. 3:29).
Nesta celebração, nós  temos a oportunidade de nos re-consagrarmos, re-dedicando nossas vidas integralmente ao Eterno. Não que precisemos de um dia específico para uma re-consagração. Afinal, estamos debaixo da graça do Eterno. Mas, trata-se de uma oportunidade na qual podemos celebrar esta data, alegrando-nos coletivamente por termos sido salvos, agradecendo a Deus por este privilégio, enquanto tantos ainda perecem separados do Eterno. Apesar de sermos a luz do mundo, vivemos em um mundo que jaz em trevas, que muitas vezes nos contamina, exercendo sobre nós todo tipo de influência negativa. Então, neste dia sentimos a liberdade de fazer nossa re-consagração, declarando coletivamente que somos livres de qualquer peso e jugo em Yeshua Ha Mashiach. Se meditarmos um pouquinho sobre quantas vezes pecamos quando comemos, bebemos, ouvimos e vemos o que não deveríamos, ou quando tocamos em coisas que não deveríamos tocar, etc., encontraremos muito sentido em nos re-consagrarmos. Arrependemo-nos, então, e consagremo-nos ao Eterno de Israel. Elohim nos dá a santidade, mas quem decide manter-se em santidade somos nós.
Lembremo-nos dos livros de Esdras e Neemias quando reconstruíram o Templo. A primeira coisa que eles fizeram foi reconstruir o altar, depois o Templo propriamente dito e, finalmente, os muros. Em outras palavras, não se consagra o Templo sem que se passe primeiro pelo altar de sacrifício, local de arrependimento e de santificação.
Isto também se aplica a nós. Primeiro, passamos pelo “altar” do Senhor nos arrependendo. Depois, sim, re-consagramos nossa vida, santificando-nos e nos purificando. Toda esta dedicação do nosso corpo (o “Templo”) ao Senhor só pode ser feita por meio do Espírito Santo, simbolizado pelo óleo que é multiplicado, derramado em nossas vidas, revelando a pessoa de Yeshua Há Mashiach. Assim como o azeite colocado na Menorá (candelabro de 7 pontas) ou na Hanukía (candelabro de 9 pontas) era puro, sem cheiro e sem fumaça quando queimado, assim também deve ser nossa vida para Adonai. Para nós é uma “mitzvá”(mandamento) ter que brilhar e reluzir graciosamente a beleza da natureza de Elohim em nós por meio de Seu filho Yeshua.
Agora, entendendo um pouco mais sobre a Festa da Dedicação, podemos celebrá-la alegremente nosso culto de Ação de Graças (I Te: 3:9).
Hag Hanuká Sameach! Feliz Festa de Hanuká!

Fonte de estudo: http://ensinandodesiao.org.br
                         Algumas alterações feita por mim do texto original.